segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Mano Djalma (Eu te Agradeço) Part. Pedro Henrique “CLIPE OFICIAL”

Reforma urbana

Moradia, um dia, será direito de Maria de João, de Ana e de Pedro. O povo não tem medo. A luta é nossa morada, mesmo não tendo teto, e muito menos terreno, o mundo é muito pequeno pra toda a multidão que se espreme e geme clamando por reformas na constituição.
Resistindo à ocupação, ação direta, políticas concretas, o povo clama por reforma urbana. Saúde, saneamento, direitos constitucionais, ordem e progresso segurança e não gás... de lacrimogêneo, bala de borracha, os policiais se acham, nos expulsa e nos esculacham.
Reforma urbana é justa e necessária, uma revolução urgente sem especulação imobiliária. Massacrando nossa gente, criando novos pelourinhos, novos quilombos de aglomerados, povo executado, deslocado pelo estado e a calamidade nos cala mesmo nas extremidades, somos violentados pelas autoridades.
O povo na miséria, triste e infeliz pagando o auxilio moradia do juiz. Barracos nas estradas, nos viadutos e nas praças. Porto Alegre é uma desgraça! Pode crê, é sempre a gente que se ferra! As quebradas tudo em guerra e o Sartori tá na serra. Realmente, nosso fim esta sendo trágico, quem tinha minha casa minha vida foi expulso pelo trafico.
O IPTU aumenta todo ano e a prefeitura não consegue trocar um cano, não arruma uma rua, não termina uma obra, tratam nosso povo como massa de manobra. A gente vota, a gente cobra, a gente se desdobra, mas no fim só leva chumbo, taxados de vagabundos, baderneiros, black blok, mas aqui não tem loki. Vamos seguir peleando tipo lanceiro negro. Governador, prefeito, vocês têm que dar um jeito! O povo não é bobo, nós conhecemos o seu jogo.


By: Rubem White

domingo, 22 de outubro de 2017

SDog - Desabafo (Clipe oficial by Selo Verde)

suspiro do tempo

Numa noite de tempestade, fui gravar um áudio no meu aparelho celular, e não havia ninguém comigo, somente os raios que cortavam o céu como riscos de luz...Nenhuma cogitação de algum corpo vivo ali comigo, somente eu e meu depoimento...
Ecoava minha voz transmitindo...
Eu ignorava o que poderia acontecer...
Eu não pensei nisto....
Eu estava na pilotagem do celular, com mais que lucidez,...
Algo toca em meu ombro e eu paro a gravação, olhei para ver se o fato se repetia, então eu continuei , mas em embaraço.
Minhas pernas ficaram dormentes, e meu lóbulo cerebral entrou em grande vazio.
Parei a gravação, entrei para uma sala mais silenciosa ainda, fechei a porta e me coloquei em um canto para ouvir...
E minha surpresa foi que ouvia junto com a minha voz, gritos de crianças infestados de terror, cães e gatos em alvoroço e um violinista no mais pleno vigor.
Nada se trabalhou ali naquele momento, mas tudo se escutou...
Terei eu descoberto o que estava oculto... estava ali mostrando sua manifestação, mostrando que a matéria não pode ser criadora do pensamento. Mas o pensamento poderá ser o criador da matéria.
Eu creio na imortalidade de almas distintas, no prisma que se retrata no espectro de luz, e que não se decompõe.
O que queriam aqueles cães, gatos e crianças? E aquele violinista?
Não queriam pavonear-se aos olhos de todos...Mas ficou sabido por mim que queriam ser ouvidos talvez.
São os véus que encobrem um mundo de outro mundo.E coisas podem aumentar na penumbra da noite. 
Não quero fornecer explicação e nem dar algum rumo ao meu áudio, já o eliminei, deletei, exclui, eles são a caldeia da sombra e os efeitos de algumas almas que viajam por estes espaços sem fim.
E o que faziam estas velhas mentes? Suspiravam antes do seu tempo ou depois que o seu tempo se foi...

By: Mary do Rap

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Dkg Dekilograma- Escolha seu caminho (clipe oficial)

A doença do existir

Me responda: O nada tem tradução?
Qual o significado em fazer parte do que não existe?
Existir nos adoece. A inexistência é a escuridão na luz.
Quando nos falta luz também somos fantasmas, a escuridão nos mostra o invisível.
Desconhecemos nossa procedência sofremos com antecedência
nos perdemos na demência, sentimos que algo escapou.
E numa rua qualquer nos achamos dentro de nós.
A mente é um labirinto onde me sinto só..
O coração, o laboratório das emoções, no plexo processo todas as impressões o inferno vai ter que esperar, digo adeus a mim mesmo sem apego em sentimentos.
Meu corpo físico aqui na 3º dimensão tem pouco valor, existir adoece.
Preciso ter para ser? Me responda! Não se esconda, me diga o que precisas pra se auto realizar.
Precisamos sim, um do outro, mas preciso me auto-conhecer, preciso existir no meu interior, preciso estar vivo no aqui e agora, no instante vivido.
Não se trata de amor próprio e sim de propriedade existencial e não somente intelecto. Essa carne apodrece assim como nossos princípios.
Se hoje o nada me faz pensar em tudo, é por que tudo que sou se resume em nada quando em cinza me transformo, e se retorno em meio ao nada, no escuro do saber, abro os olhos e vejo o invisível em mim!